De acordo com o IBGE, 48% das empresas brasileiras fecham em até três anos após abrirem. No ramo alimentício, muito disso está relacionado à falta de um plano de negócios para restaurante antes mesmo da abertura do CNPJ.

O plano de negócios para restaurante gera uma melhor compreensão da empresa, tanto em conceito quanto em números. Por meio desse documento, são definidas as características do empreendimento, enquanto a concorrência e os fatores que podem acarretar o sucesso ou fracasso do negócio são analisados.

Convenhamos, é melhor ter prejuízo no papel do que na prática, certo?

Passo a passo para montar o seu plano de negócios para restaurante

Esse é um documento com certo grau de complexidade e vai exigir, muitas vezes, ajuda profissional.  A preparação de um plano de negócio para um restaurante exige muito comprometimento, pesquisa, trabalho, conhecimento e criatividade.

Vamos a um breve passo a passo, com base em informações fornecidas pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE).

1. Características do empreendimento

Primeiramente, precisamos desenvolver a ideia de colocar na ponta do lápis o que vai ser o empreendimento. Nessa etapa, é preciso definir qual o negócio da sua empresa e qual o setor em que ela vai atuar.

No caso de um plano de negócios para restaurante, o setor é o de serviços de alimentação, que inclui restaurantes, bares, lanchonetes, padarias, serviços de catering, vending machines, etc. Aqui, você também discute dados e experiência dos empreendedores envolvidos no projeto, missão, visão e valores da empresa. Você, ainda, pode definir se vai especializar ou diversificar o serviço.

Além disso, também é preciso estabelecer a forma jurídica, ou seja, a constituição formal da empresa perante a lei. As formas jurídicas mais comuns para os micros e pequenos restaurantes são: Microempreendedor Individual - MEI -, Sociedade Limitada e Empreendedor Individual. Para saber a mais adequada, pode ser preciso auxílio de um contador ou advogado.

Feito isso, o seu plano de negócios para restaurante precisa acertar o enquadramento tributário em que se adequa com base no que foi definido até aqui. Por exemplo, caso você seja registrado com MEI – Microempreendedor individual, o recolhimento dos impostos e contribuições é feito em valor fixo mensal, independente da receita bruta.

Nessa primeira etapa, também é importante que se estabeleça o capital social e a fonte dos recursos a serem aplicados no negócio. O capital social nada mais é do que dinheiro, ferramentas, equipamentos e demais investimentos para a montagem do estabelecimento.

2. Análise de mercado

Esse é um passo muito interessante de como fazer um plano de negócios para restaurante. Ele pode, inclusive, mudar a percepção inicial que você tem do próprio negócio, alimentar algumas ideias e estimular a criatividade.

Atenção às principais análises a serem feitas:

Estudo do público

Para que seu negócio tenha sucesso ele precisa, além de clientes, ter valor para oferecer a eles. Conhecendo bem o seu público, você sabe aquilo que pode oferecer e o que eles desejam ou precisam.

Leve alguns pontos em consideração na sua análise, com base nas pessoas do raio de atuação definido:

  • Qual a faixa etária?
  • Na maioria são homens ou mulheres?
  • Tamanho da família?
  • Qual a sua ocupação?
  • Quanto recebe de salário?
  • Qual é o nível de escolaridade?
  • Que quantidade e com qual frequência compram esse tipo de produto ou serviço?
  • Onde costumam comprar?
  • Que preço pagam atualmente por esse produto ou serviço similar?
  • O que leva essas pessoas a comprarem?

Estudo dos concorrentes

Dar uma bisbilhotada no que seus concorrentes fazem não é só importante, é obrigatório. Identifique quem competirá com sua produção, visite-os e examine os pontos fortes e fracos do serviço. Estabeleça um comparativo entre o que você pode oferecer e o que a concorrência oferece, levando em conta:

  • Qualidade dos materiais empregados - cores, tamanhos, embalagem, variedade, etc.;
  • Preço cobrado;
  • Localização;
  • Condições de pagamento - prazos concedidos, descontos praticados, etc.;
  • Atendimento prestado;
  • Serviços disponibilizados - horário de funcionamento, entrega

em domicílio, tele-atendimento, etc.;

Estudo dos fornecedores

As pessoas e empresas que irão fornecer as matérias-primas e equipamentos utilizados

para a fabricação ou venda dos seus serviços são os fornecedores. Eles são de diferentes localidades, preços, regras, qualidades, e por isso também demandam uma pesquisa criteriosa.

Todas essas informações acima servem para calcular o investimento inicial e as despesas recorrentes.

3. Plano operacional

Hora de entender o espaço e as operações do seu empreendimento! No plano de negócios para restaurante, você deve estabelecer um layout ou arranjo físico, em que se defina a distribuição dos setores e recursos da empresa, como móveis, estantes e equipamentos, por exemplo. 

Fonte: SEBRAE (2013)

Um profissional adequado, como um arquiteto e/ou engenheiro, pode ajudá-lo nessa tarefa por entender melhor as regras exigidas para esse tipo de empresa, além de garantir os benefícios de um plano de negócios, como melhor capacidade de produção, higienização e otimização de processos do dia a dia.

Na parte operacional do seu plano de negócios para restaurante, também é interessante incluir os processos a serem adotados na produção. Assim, você também entende como vai funcionar a contratação de pessoal e como fazer a gestão da equipe.

4. Plano financeiro

Por fim, todo o plano de negócios para restaurante precisa de um plano financeiro bem definido. É por meio dele que se pode calcular a viabilidade do negócio.

Conheça alguns itens imprescindíveis:

Investimento total

Todos os recursos investidos para colocar a empresa em funcionamento. O investimento total é formado por investimentos fixos, capital de giro e investimentos pré-operacionais.

Capital de giro

Quanto você precisa para manter sua empresa funcionando normalmente? Esse é o capital de giro. Ele envolve, por exemplo, a compra de matérias-primas ou mercadorias, financiamento das vendas e o pagamento das despesas.

Estimativas

Aqui, assim como nos demais tópicos, quando o assunto é dinheiro, muito provavelmente, você vai precisar da consultoria de alguém familiarizado com contabilidade e administração financeira.

É preciso calcular uma estimativa de faturamento mensal da empresa, do custo unitário de matéria-prima, materiais diretos e terceirizações, CMV (com base nas fichas técnicas do seu cardápio), bem como estimativa dos custos com mão de obra, custo com depreciação e custos fixos operacionais mensais.

Demonstrativo de resultados

Por incrível que pareça, se você fez tudo certinho até aqui, é possível prever o resultado da empresa. Com as estimativas de faturamento e custos, verifica-se se, com esses dados, se você opera no lucro ou prejuízo.

Indicadores de viabilidade

Lucratividade e prazo de retorno do investimento são os principais itens para definir se é viável ou não prosseguir com seu empreendimento com base no que foi elaborado nesse plano de negócios para o restaurante. Por eles, você sabe se o lucro e o retorno sobre investimento condizem com as suas expectativas.

Ufa! Te avisamos lá no início que o plano de negócios para restaurante é um material complexo. Apesar de envolver muito trabalho, vale a pena investir no seu para garantir a segurança que um novo empreendimento precisa. Além do exposto, um plano de marketing e análise estratégica de possíveis cenários também são fatores relevantes a se considerar no documento.

Agora que você já sabe como começar um negócio do zero, que tal ficar por dentro de como administrar um restaurante

Página Inicial
Produtos
Receitas
Serviços
Menu