Antes de chegar no prato do cliente, as refeições que você serve percorrem um longo caminho: são produzidas pelos fornecedores, transportadas até seu restaurante, armazenadas e preparadas na sua cozinha. Para ter ingredientes de qualidade sempre em mãos, é preciso fazer o bom controle de estoque.

O dono de restaurante que não faz o controle de estoque está sujeito a levar prejuízo, pois as mercadorias podem sumir na bagunça, estragar ou passar da data de vencimento. Além disso, se ele não sabe o que tem armazenado, ignora as quantidades disponíveis para preparar os pratos e, consequentemente, o potencial financeiro do negócio.

Confira 6 dicas para fazer o controle de estoque do seu restaurante:

  • Crie planilhas e registre tudo que entrada e sai

Quem não registra as entradas e saídas de produtos não tem o menor controle do está dentro do estoque. Portanto, está sujeito a perder dinheiro. A regra básica é registrar tudo rigidamente, usando fichas impressas, planilhas ou ferramentas gratuitas e pagas. Escolha um sistema que permita registrar data, horário, valor e classificação do produto.

Encontramos duas ferramentas que podem te ajudar a registrar as entradas e saídas do seu estoque: os sistemas do Conta Azul e do Zero Paper. No entanto, vale a pena fazer uma busca e pesquisar opções. Ninguém melhor do que você para definir as melhores ferramentas para organizar o seu restaurante!

  • Classifique os produtos

Estabeleça critérios para classificar todos os produtos, como marca, tipo, cor, tamanho, variações, preço de custo e de venda, nome do fornecedor, prazo de validade e quantidade. Além disso, divida-os em categorias genéricas, como legumes, carnes e bebidas.

Isso pode ser um pouco trabalhoso, pois será preciso separar os produtos sempre que entrarem no estoque. Mas o tempo que você gasta será recompensado em ganhos financeiros no futuro.

  • Fiscalize com frequência

Estabeleça prazos de controle para fiscalizar os produtos que mais saíram de estoque em um determinado período. Faça visitas regulares ao espaço físico e tire um tempinho para analisar o sistema, a planilha ou ficha impressa que você utiliza.

Ao fazer esse controle, você entenderá quais produtos estão perto da data de vencimento, por exemplo, e precisam ser vendidos logo. Além disso, saberá quais mercadorias têm mais saída e, por consequência, vale a pena investir.

  • Organize os produtos em perecíveis e não perecíveis

Os produtos não perecíveis são os alimentos de consistência seca e, portanto, fácil armazenamento, como milho, macarrão e feijão. Eles podem ficar em prateleiras, estantes e até armários, desde que mantenham uma distância do chão e o espaço permita uma boa circulação de ar.

Já os alimentos perecíveis devem ser refrigerados de acordo com a recomendação do fabricante. É preciso controlar sua data de validade de perto para garantir que você não irá servir nada estragado para seus clientes.

Boa ideia é organizar os produtos por data de vencimento para deixar à vista os que precisam ser consumidos logo. No entanto, fica a seu critério bolar o sistema que funcione melhor para as demandas do seu restaurante.

  • Oriente os funcionários

Se você não tiver tempo para fazer o controle de estoque, delegue a tarefa para um funcionário que seja organizado e de confiança. Dependendo do tamanho do seu restaurante, é muito importante ter um colaborador focado nisso.

Estabeleça regras para entrada e saída do estoque e informe todos os funcionários sobre isso. O ideal é não permitir que pessoas sem autorização entrem no espaço. Também é importante orientar a todos sobre os procedimentos para retirada de mercadorias, como o preenchimento de uma requisição com todas as informações.

  • Escolha um modelo de reposição

Será muito importante definir como você fará a reposição dos produtos que saem de estoque. A reposição contínua é um modelo no qual as compras são feitas com frequência, mantendo uma quantidade menor de mercadorias estocadas. Essa estratégia tem algumas vantagens, como reduzir os custos com estoque e diminuir as perdas, seja por vencimento ou por compra errada.

Dependendo da demanda, será preciso fazer a reposição periódica. Nesse modelo, o proprietário faz compras maiores e programadas. A opção pode sair mais em conta pois é possível negociar preços melhores com os fornecedores quando a compra é feita em alta quantidade. Por outro lado, ela exige mais planejamento e organização para evitar o acúmulo de mercadorias.

Fazer a gestão de estoque não é tão complicado quanto parece, não é mesmo? Pronto para deixar tudo organizado?